FÓRUM FEIRA DO LIVRO – A MAIOR PROMOÇÃO DA LEITURA

14/12/2010
FÓRUM FEIRA DO LIVRO – A MAIOR PROMOÇÃO DA LEITURA
 
COBERTURA: Patrono abre 18ª Reunião do Fórum Gaúcho pela Melhoria das Bibliotecas Escolares

O patrono da 56ª Feira do Livro de Porto Alegre, Paixão Côrtes, participou da abertura da 18ª Reunião do Fórum Gaúcho pela Melhoria das Bibliotecas Escolares, que aconteceu na manhã desta sexta-feira (29) na Casa do Pensamento, no Cais do Porto. Também fizeram parte da mesa a presidente do Conselho Federal de Biblioteconomia, Nêmora Rodrigues, a Presidente do Conselho Regional de Biblioteconomia Loiva Teresinha Serafini  e o presidente da Câmara Rio-Grandense do Livro, João Carneiro.

Nêmora comemorou a aprovação da Lei nº 2.244, que obriga toda escola a ter uma biblioteca. “É uma coisa que parece óbvia, mas o nosso país precisa desse tipo de lei”, disse. João Carneiro afirmou que era uma honra começar a Feira com um evento que discute a melhoria das bibliotecas escolares e que o desafio a partir de agora é buscar a implantação de políticas públicas que garantam o custeio das bibliotecas.

O folclorista Paixão Côrtes expôs alguns dados levantados durante a pesquisa que fez em 2004 sobre o número de escolas, bibliotecas e museus existentes no Rio Grande do Sul.

Logo depois, durante sua palestra “Aprendendo sobre o Rio Grande do Sul através dos livros”, contou que, em 1947, quando começou a se formar o movimento tradicionalista gaúcho, não havia materiais sobre os costumes gaúchos nas bibliotecas. “A ditadura de Vargas proibiu hinos e bandeiras regionais”, lembrou. Foi assim que ele começou a realizar pesquisas sobre os hábitos, danças e canções gaúchas e a produzir livros. “A palavra falada desaparece. A palavra escrita é o que torna as informações permanentes”, afirmou.

Questionado sobre a influência dos negros na cultura gaúcha, Paixão cantou uma canção que faz parte dos costumes dessa etnia e que integra o seu livro “Folclore Gaúcho”. No final do encontro, cantou “Hino ao Rio Grande”, acompanhado pela plateia, que ficou lotada durante todo o evento.

Veja mais fotos deste evento na Galeria de Fotos.

Fotos em alta resolução na Área de Imprensa.

Anúncios

Primeira audiência pública da Frente Parlamentar de Incentivo à Leitura

14/12/2010

 

 

Primeira audiência pública da Frente Parlamentar de Incentivo a Leitura define diretrizes

Poder público e entidades relacionadas à leitura participaram na última quinta-feira, 1º de julho, da Audiência Pública para o Plano Municipal do Livro e da Leitura na Câmara dos Vereadores de Porto Alegre, presidida pela vereadora Fernanda Melchionna (PSOL).

O objetivo do encontro era discutir as propostas para avanço de uma lei municipal para o Plano Municipal do Livro e da Leitura, bem como estabelecer compromissos e metas para criação do programa em Porto Alegre.

A presidente do Conselho Federal de Biblioteconomia, Nêmora Rodrigues, comentou as dificuldades que o setor enfrenta e destacou como maior obstáculo a mobilização de pessoas envolvidas e capacitadas para “conquistar e atrair a população para a leitura”. Já a presidente do Conselho Regional de Biblioteconomia, Loiva Teresinha Serafini, citou a deficiência de bibliotecários no município, fazendo inclusive pedido para que a questão de profissionais concursados fosse analisada para atuação efetiva em Porto Alegre.

O secretário da Frente, vereador Adeli Sell (PT), falou na importância da criação da Frente: “Criar um sistema municipal me parece fundamental, assim como a valorização dos funcionários envolvidos. É importante criarmos reuniões de trabalho para definirmos metas, prazos, e também a criação do projeto de lei” disse. Segundo o vereador, a expectativa é que as bibliotecas sejam disseminadas de maneira uniforme em todas as partes da cidade: “Espero que no futuro tenhamos uma proporção como a das creches comunitárias”.

O presidente da CRL, João Carneiro, salientou a importância da Frente como aliada à vontade política de construir o Plano conjuntamente: “Temos a articulação política entre agentes sociais para a criação de um plano que seja um horizonte na tomada de ações para o acesso à leitura”. Sobre a quantidade de bibliotecas em Porto Alegre, João Carneiro fez um comparativo com as livrarias: “Assim como o número de bibliotecas é baixo, o número de livrarias também faz parte dessa estatística. É fundamental que se construa a radiografia da situação na cidade para descobrirmos onde estão os focos de leitura” disse. “O termo chave é a questão do acesso ao livro e à leitura. Como e onde fazer? Precisamos também da criação de novas bibliotecas” complementou o presidente da CRL, que ainda cobrou recursos para que as políticas de leitura tenham verbas no Orçamento da Capital.

A coordenadora executiva da ONG Cirandar, Márcia Cavalcante, enfatizou a necessidade de novas bibliotecas serem construídas, porém, com atenção a três fatores: “Temos uma tríade para a melhoria das bibliotecas, que constitui-se em espaço, acervo de qualidade, e mediação”.  Já a secretária municipal da educação, Cleci Jurach, citou os programas realizados pela Smed em parceria com a CRL, como o Adote um Escritor, e informou que são investidos cerca de R$ 600 mil em projetos no segmento da leitura e literatura.

Sugestões para a Frente

A vereadora Fernanda Melchionna compilou todos os destaques da reunião em uma lista de sugestões a serem seguidas, como a criação de um grupo de trabalho para agregar todos os segmentos, com participação efetiva de representantes da Smed.

Também estão entre as sugestões, transformar a Frente em lei, emenda ao orçamento de 2011 para bibliotecas comunitárias, e a realização de ação conjunta durante a Feira do Livro de Porto Alegre com programas para combater o analfabetismo funcional.

Participaram da Audiência Pública representantes do Conselho Federal e Regional de Biblioteconomia, Secretaria Municipal da Educação, Secretaria Municipal da Cultura, Associação Gaúcha de Escritores, Instituto C&A, Instituto Federal do Rio Grande do Sul, Instituto Goethe e Câmara Rio-Grandense do Livro.


Fórum na Feira do Livro de Porto Alegre, RS – 2010

14/12/2010
FÓRUM GAÚCHO PELA MELHORIA DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES 
FEIRA DO LIVRO DE PORTO ALEGRE  – A MAIOR PROMOÇÃO DA LEITURA

O carisma do patrono




Foto: Mauro Vieira


Por se tratar de um conhecedor da cultura riograndense, o patrono da 56ª Feira do Livro de Porto Alegre, Paixão Côrtes, é tratado pelos primeiros visitantes do evento como um agregador. O carisma que irradia por trás do característico bigode, agora já sem coloração devido à experiência que o tempo lhe propiciou, encanta a todos, que não perdem a oportunidade de “tietar” o homem que inspirou a obra do “Laçador”.

– Ele é um intelectual dono de um carisma único, conhecedor da cultura do Estado. É tudo que um patrono tem que ser, declara a secretária substituta da Cultura da cidade de Osório, Mailor Cristina Kingeski.

Um dos idealizadores do Movimento Tradicionalista Gaúcho, o folclorista lembra que há mais de 50 anos não se usava bota, bombacha, nem lenço no pescoço. Segundo ele, existiam apenas suposições a respeito de uma cultura dos antepassados que sequer estava escrita. Até mesmo hoje, alerta o patrono, as pessoas distorcem expressões do linguajar popular.

– O termo “pilcha” não significa a vestimenta do gaudério. Significava riqueza, dinheiro. Pois antes o gaúcho era muito pobre e quem aparecia mais bem vestido era considerado um “pilchado”, ou seja, com dinheiro.

Para isso, a “tropeada cultural” – como identificou a Feira – terá o objetivo de projetar o Estado para o cenário universal “a partir do galpão”. O projeto Mogar, lançado pelo próprio Paixão Côrtes, condensa 20 publicações distribuídas gratuitamente. Porém, para ocorrer a doação, ele pede projetos de estudos da cultura riograndense.

– Eu quero picanha, mas também quero que ela tenha gordura!

Paixão Côrtes canta o Hino ao Rio Grande

O patrono da Feira do Livro, Paixão Côrtes, emocionou a todos quando convidado a dividir com o público alguma manifestação gauchesca. Ele surpreendeu ao cantar a música “Hino ao Rio Grande”, de Simão Goldman.

Clique aqui e assista!

A base de tudo

Como primeira atividade da 56ª Feira do Livro de Porto Alegre, o evento “Biblioteca Escolar: A Grande Promoção da Leitura”, iniciado às 9h30 desta sexta-feira, contou com a participação da presidente do Conselho Federal de Biblioteconomia, Nêmora Arlindo Rodrigues, a presidente do Conselho Regional de Biblioteconomia (CRB-10), Loiva Teresinha Serafini, o presidente da Câmara Riograndense do Livro, João Carneiro, e o patrono da Feira, Paixão Côrtes.  O tema, organizado pelo Fórum Gaúcho Pela Melhoria das Bibliotecas Escolares, é debatido desde março de 2009 para encontrar meios de possibilitar o acesso universal aos livros e diversificar seu conteúdo.

– Nosso esforço serve para que as bibliotecas públicas e escolares sejam dignas deste nome, salientou a presidente do Conselho Regional de Biblioteconomia (CRB-10), Loiva Teresinha Serafini.

Já a presidente do Conselho Federal de Biblioteconomia, Nêmora Arlindo Rodrigues, comemorou a aprovação da Lei 1.244/2010 que determina que toda escola tenha um acervo de livros nas bibliotecas de pelo menos um título por aluno matriculado.

– Com isso, nós queremos que o vício da leitura supere os outros vícios que estão derrubando a sociedade, afirmou Nêmora, que ainda lembrou do sonho de multiplicar cada vez mais o conhecimento no país.

O presidente da Câmara Riograndense do Livro, João Carneiro, declarou orgulho em abrir o fórum com o debate sobre as bibliotecas escolares, arrancando aplausos do público que lotou as dependências da Casa do Pensamento, no Cais do Porto.

– Espero que o livro tenha um lugar de destaque na sociedade. Esta é uma luta em andamento. Pedimos também políticas que mantenham o acesso e garantias de recursos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FONTE – http://wp.clicrbs.com.br/blogdoleitor/tag/porto-alegre/?topo=52,1,1,,171,e171

 

Reunião do Fórum em Porto Alegre – Outubro/2010 – 2

27/09/2010

Clique na imagem para ampliá-la!